PONTAL DE CACILHAS: Dezembro 2007

domingo, dezembro 09, 2007

COSTA DA CAPRICA, DATAS E FACTOS


Photo portugalweb.net

1147 - São conquistados aos mouros o castelo de Almada e terras circundantes até à foz do Tejo.
1170 - Em Março, o nosso primeiro Rei concede a Almada o seu primeiro foral.
1190 - D.Sancho I dá-lhe o segundo foral.
1191 - Almada é retomada e o seu castelo destruído.
1195 - D.Sancho I ataca os mouros e reconquista definitivamente Almada, reconstruindo o castelo.
1380 - Uma mulher idosa destes lugares acha no Cabo Espichel uma pequena estátua da Virgem Maria.
1348 (18 de Novembro) - O Santo Condestável, passa de madrugada pela Sobreda, indo atacar o Castelo de Almada em poder dos Castelhanos.
1442 - É erigida a Ermida de Santa Maria do Monte.
1472 - O Sumo Pontífice Sisto IV, funda a freguesia que mais tarde se chamou de Caparica.
1482 - A Ermida de Santa Maria do Monte depois de transformada em Igreja, é sagrada por D.Nuno de Aguiar, 1º Bispo de Tânger.
1529 (13 de Janeiro) - Data do documento mais antigo em que encontramos o nome de Caparica.
1570 - El Rei D.Sebastião reedifica a Torre Velha, que passa a denominar-se Torre de S. Sebastião de Caparica.
1575 (21 de Janeiro) - É lavrado o primeiro assento de baptismo.
1646 (13 de Outubro) - Decreto de D.João IV sobre a construção da Torre do Bugio, segundo o projecto de Frei João Turriano.
1755 - Violento terramoto em todo o País. Em Caparica fica destruída a Igreja Paroquial.
1912 (24 de Agosto) - Morre no largo da Torre, Raimundo António de Bulhão Pato. Residia em Caparica desde 1890.
1939 - Na mata florestal da Costa de Caparica, cria-se a Colónia de Férias da Fundação Nacional para Alegria no Trabalho (FNAT hoje INATEL).

Centro de Artes Orientais - www.cao.pt

sábado, dezembro 08, 2007

COSTA DA CAPARICA, HISTÓRIA


Photo portugalweb.net

Considerada, em tempos, uma das localidades mais ricas do concelho de Almada, o Monte de Caparica seria instituído sede da freguesia da Caparica desde a sua fundação, em 20 de Novembro de 1472, por bula do Papa Sisto IV.
Dada a sua grandeza e primitiva extensão faziam parte desta freguesia, além do Monte, os lugares da Costa, Charneca, Sobreda, Porto Brandão e Trafaria, localidades que devido ao desenvolvimento populacional e às sucessivas divisões administrativas do concelho, passaram a ter a sua autonomia própria como freguesias.
Sendo o Monte de Caparica um lugar de enorme vivência social, foi aí fundada, em 1865, a Associação Filarmónica Protectora Monte Pio de Nossa Senhora do Monte de Caparica, Instituição que fornecia socorros e medicamentos às pessoas mais carenciadas.
No ano de 1878, seria, também,criada outra Associação Mutualista, denominada Monte Pio Caparicano de Nossa Senhora do Rosário, vindo mais tarde a surgir a Monte Pio de Nossa Senhora do Cabo.Não foi só no mutualismo que os monte caparicanos tiveram um papel preponderante.
Também na cultura e recreio desenvolveram grande actividade e as suas afamadas filarmónicas, a nova denominada por "Caldeireiros" e a velha por "Marroquinos", somente após forte rivalidade, seriam extintas em finais do século XIX.
No dia 27 de Junho do ano de 1892, seria instaladonuma das propriedades de António Augusto Teixeira da Silva, por sua iniciativa, o Teatro Garret, com capacidade para 300 pessoas. Este notável industrial, que veio residir para o Monte de Caparica em meados de 1876, fundaria, também, o vistoso Hotel Central Club, vindo, mais tarde, adesempenhar as funções de administrador-substituto do concelho de Almada.
Terra de grande riqueza, aqui viveram grandes nomes da política e do meio social de Almada como: Joaquim Ramos Marques, importante comerciante e vereador municipal; António Baptista Cabral, ex-vereador e presidente da vereação no ano de 1897; José Gomes, juiz de paz e regedor da paróquia; João Francisco Marques, afamado comerciante e político de grande vulto local;Miguel M. Ricaldes da Silva, antigo almoxarife da Real Quinta do Alfeite; e, ainda, o grande escritor e poeta romântico Bulhão Pato, autor de várias obras, entre elas o famoso Livro do Monte, editado em 1896.
Esta ilustre figura das belas-letras, das ideias e da sociabilidade do século XIXportuguês viria a falecer em 24 de Agosto de 1912, estando sepultado no cemitério local.Não dispondo, actualmente, de grandes edificações, salienta-se como imóveis de grande interesse arquitectónico e artístico o Convento dos Capuchos, o recente monumento erigido em memória do Dr. José Pessoa e a igreja matriz, fundada em 1482, bastante danificada com o terramoto de 1755 e reconstruída durante o reinado de D. José.
Segundo o Dicionário Geográfico de Portugal, o grande zelo dos moradores fez com que estes erigissem, no lugar onde estava situada uma ermida consagrada a Santa Maria, uma igreja de maiores dimensões que, no dia 24 de Maio de 1482, foi sagrada por D. Nuno, Bispo de Tânger.
Este vistoso monumento de grande amplitude e linhas simples, onde predominava um barroquismo severo, possui agora, no seu interior, vistosos painéis de azulejos azuis recortados sobre esmalte branco, com molduras policromadas nas paredes da nave, historiando os passos do "Cântico dosCânticos", datando da época setecentista.
No altar-mor existe um retábulo de talha neoclássica podendo admirar-se uma curiosa escultura em madeira de Nossa Senhora do Monte.
Nos restantes altares existem vários retábulos, encontrando-se, na sua capela ao lado da Epistola, uma tela do século XVIII, representando a última Ceia.
Neste importante templo de Almada existiu um retábulo de quatro painéis da autoria do célebre pintor lisboeta do Séc. XVII Domingos Vieira, de alcunha "O Escuro". Considerada, na época, como ofensiva, a obra mereceu do Tribunal de Inquisição uma ordenação, tendo como objectivo a sua destruição.
Do relatório da diligencia feita, por ordem da mesa da Inquisição, pelo Padre Jorge Cabral, consta que o retábulo fora executado por iniciativa do Cura da referida igreja, António Rodrigues das Neves, por volta de 1627, no tempo em que ele era oficial da confraria de Nossa Senhora da Conceição, sendo o seu autor Domingos Vieira, residente em Lisboa, e que, comummente,assiste em casa do Conde de Monsanto.
0 parecer do Sacerdote inquiridor apontava para que se raspassem as imagens e os respectivos letreiros do retábulo. Este dividia-se em vários compartimentos, num dos quais estava debuxada Nossa Senhora da Conceição, tendo, de um lado, São Tomás, que aparecia em posição humilde, e, de outro lado, com um ar triunfante, o Dr. Scotto, "em forma que o doutor Angélico está muito humilhado, e Escoto muito alegre", saindo da boca de um e de outro letreiros com frases que ofendiam a meticulosidade de certos ortodoxos.Perante tal incumbência, foi datada em 24 de Setembro de 1634 uma certidão comprovativa pelo então Padre da Caparica, António Luís, certificando a raspagem das letras e das imagens do retábulo.
Este pitoresco e curioso caso, da nossa história local foi objecto de estudo e análise a Augusto Cardoso Pinto, que em 21 de Janeiro de 1942, numa palestra realizada em Lisboa no Museu das Janelas Verdes, dissertou sobre a obra de Domingos Vieira e sobre o processo de inquisição a que fora submetido.
Aliás este assunto já tinha sido advertido por Sousa Viterbo na sua obra "Notícias de Alguns Pintores Portugueses", editada em 1906, trazendo a públicoimportantes documentos do cartório do Santo Ofício, relatando curiosas e valiosas referências a esta importante peça da arte portuguesa, desaparecida após o terramoto de 1 de Novembro de 1755.


©Artur Vaz, "Jornal da Região" de 29.9.1999
Centro de Artes Orientais - www.cao.pt

sexta-feira, dezembro 07, 2007

COSTA DA CAPARICA, TOPÓNIMO


Photo portugalweb.net

A palavra Caparica provém do latim cappar, cappari ou capparis, este por sua vez proveniente do grego kapparis que significa Alcaparra, um arbusto hortense (Capparis espinosa, lin.), cujos botões em conserva são muito conhecidos por servirem para estimular o apetite. Caparica, será portanto o lugar onde existem alcaparras, o alcaparral.Dada a maior incidência no Concelho de topónimos de etimologia latina que de origem árabe, quer-nos parecer que Caparica provirá do latim. Não será apesar de tudo de excluir a proveniência árabe, a partir de al-kabbara que, por sua vez é derivado do latim.

©Factus, jornal da DAEFCT n.º 4
Centro de Artes Orientais - www.cao.pt